Jovens advogados valem 12 mil votos

Ordem_dos_advogadosNos últimos dez anos inscreveram-se na Ordem 12 798 advogados. Estes jovens profissionais já representam 48 por cento da classe, e apesar de se sentirem afastados pela instituição têm noção do seu poder.
“Se um dia um jovem se decidir candidatar, leva o voto juvenil e ganha”, diz Joana Pascoal, presidente da Associação Nacional de Jovens Advogados Portugueses (ANJAP).
Conscientes desta realidade, as medidas dirigidas aos mais novos têm vindo a ganhar espaço nos programas dos candidatos a bastonário, mas a dirigente lamenta que a atenção se resuma ao período eleitoral. Como exemplo, a advogada lembra que só podem fazer parte dos órgãos da Ordem profissionais com mais de cinco anos de actividade. Mas aquilo que mais preocupa Joana Pascoal são os problemas com que se deparam aqueles que chegam agora à advocacia: dificuldade de inserção no mercado de trabalho e na própria classe e dificuldade em abrir um escritório e criar nome na praça. “A Ordem dos Advogados (OA) tem uma capacidade negocial que nós não temos e poderia perfeitamente criar protocolos para ajudar”, diz a advogada, lembrando ainda que só para a Ordem os mais novos pagam quase tanto como os veteranos, independentemente dos rendimentos: são 18 euros/mês para as quotas e 80 para a Caixa de Previdência. Às despesas fixas soma-se a instabilidade no trabalho e o atraso no pagamento das defesas oficiosas.
“O início da profissão é difícil para todos”, diz Joana Pascoal, lembrando que há advogados de empresa, sociedade ou de um profissional em prática individual. A dirigente não fala em números, mas garante que há juristas com rendimentos muito baixos.
A ANJAP, porém, como tem vindo a acontecer, decidiu não apoiar nenhum dos candidatos às eleições de 26 de Novembro, data em que Marinho Pinto se recandidata com a oposição de Luís Filipe Carvalho e de Fernando Fragoso Marques.

 

CANDIDATOS
António Marinho Pinto, bastonário em exercício de funções, candidata-se a um segundo mandato na Ordem dos Advogados mas tem a oposição de Luís Filipe Carvalho, de Lisboa, e Fernando Fragoso Marques, do Barreiro
MARINHO PINTO – Instituir exame de deontologia
“Olhem para o que eu fiz e não para o que eu disse” é um dos slogans da recandidatura de Marinho Pinto, 60 anos, o primeiro bastonário remunerado que, entre outras medidas, propõe instituir uma prova de deontologia para todos os candidatos à inscrição na Ordem.
FRAGOSO MARQUES – Alterar sistema de apoio judiciário
Reforçar as medidas de protecção de maternidade e paternidade e alterar o actual sistema de apoio judiciário são algumas medidas propostas por Fragoso Marques, que promete criar um gabinete de apoio aos jovens advogados e atribuir este pelouro a um dos vogais.
LUÍS FILIPE CARVALHO – Maior intervenção do advogado
O advogado de 43 anos quer dar início aos trabalhos para a realização do Congresso. Luís Filipe Carvalho promete alargar a intervenção do advogado, nomeadamente através da consulta jurídica e combate à procuradoria ilícita e tem um pacote para jovens advogados.
Fonte: Correio da Manhã
No comments yet.

Deixar uma resposta